Notícias

Alimentação durante as Festas Juninas

Apesar das comidas típicas serem calóricas, também trazem benefícios para a saúde.

As festas juninas são um prato cheio para as comidas típicas desta época do ano. Entre elas, pinhão, canjica, pamonha, doce de abóbora e tantos outros quitutes que enchem de água a boca dos brasileiros. Tanto os ingredientes como a preparação dessas iguarias são tradicionais de cada região, mas todas são saborosas e muitas delas são também bastante nutritivas. O Conselho de Nutricionistas da 8ª Região (CRN-8) conversou com a nutricionista Camila Gabrielle Schewinski (CRN8-9762) para buscar mais informações. Ela fala das particularidades desses alimentos e das precauções com o consumo, pois muitos têm alto índice calórico. Além disso, alerta para os cuidados com o preparo, higiene e exposição.

Camila lembra que, embora as comidinhas de festa junina geralmente sejam caseiras e utilizem alimentos in natura, é necessário cautela no consumo. “A maioria conta com um alto valor calórico e, no caso dos doces, bastante açúcar na composição. Tomemos como exemplo a maçã do amor, que embora seja a maior parte maçã, pode conter até 450 Kcal por unidade, devido a sua casquinha de açúcar. As pessoas não precisam se privar do consumo, mas deve haver sempre bom senso e moderação e, se possível, deve-se priorizar os alimentos com menor grau de processamento, evitando os alimentos ultraprocessados, por exemplo”, diz.

Outro cuidado que se deve ter é em relação ao preparo e exposição dos alimentos, para evitar contaminações. Camila explica que, antes de ir à cozinha, é imprescindível a lavagem adequada das mãos, além de manter os cabelos presos, selecionar alimentos frescos e higienizar bem os vegetais que serão utilizados. “No caso de utilizar vegetais ou frutas cruas, como na preparação da maçã do amor, por exemplo, deverá ser realizada a desinfecção desses alimentos. É um processo bem simples: basta diluir uma colher de sopa de água sanitária em um litro d’água e imergir os vegetais nessa solução por 15 minutos, enxaguando-os em seguida em água corrente. Este processo pode evitar doenças”, afirma.

Já com relação à exposição dos pratos, Camila ensina que os pratos quentes não devem ficar expostos à temperatura ambiente por mais do que duas horas, para evitar a proliferação de bactérias. São cuidados básicos, mas que fazem toda a diferença.

Alimentos

Alguns alimentos nos remetemàs festas juninas: pinhão, pamonha, doce de abóbora e outros e Camila Gabrielle falou sobre alguns deles.

Pinhão - O pinhão, semente da araucária, é um alimento indispensável nas festas juninas dos paranaenses. O que muitos não sabem é que esta semente é fonte de amido e fibras, além de minerais.

Pamonha – É feita de milho ralado e sal cozida na palha. O milho possui fibras, vitamina A (conhecida como adjuvante à saúde dos olhos), vitamina B1 (benéfica para a memória e concentração), além dos minerais fósforo e potássio.

Doce de Abóbora - A abóbora é rica, principalmente em vitamina A, vitaminas do complexo B e vitamina C (conhecida por suas propriedades antioxidantes). Além dessas vitaminas, possui minerais como cálcio e magnésio (mineral importante na transmissão de impulsos nervosos e na contração e relaxamento muscular).

Maçã do amor - Consiste em uma maçã banhada por uma calda cristalizada de açúcar. A maçã é rica em vitamina C e vitamina B9 (mais conhecida como ácido fólico, é essencial para a formação do tubo neural no feto). A maçã ainda é rica em pectina, uma fibra que pode auxiliar no controle dos níveis de colesterol e triglicerídeos no sangue.

Agora a palavra está com você. Qual dessas delícias juninas te deixa com mais água na boca?