Mapa do site
 
Apresentação
Perfil organizacional
Estrutura
Colegiado
Imprensa
Contato
 
Inscrição no Conselho
Áreas de atuação
Códigos de Ética
Legislação
Instituições de Ensino
 
Notícias e artigos
Nutrição na mídia
Agenda de cursos e eventos
Mural de avisos
Audiovisual e publicações
Concursos
Licitações
Sites sugeridos
 
Início | Nutrição na mídia | Julho 2010 | Ansiedade e depressão fazem pessoas ficarem viciadas em chocolate
Nutrição na mídia

Ansiedade e depressão fazem pessoas ficarem viciadas em chocolate

Universidade de São Paulo convoca chocólatras para estudo científico

Data: 12/07/2010
Veículo: Só Nutrição
Veja a matéria no site Só Nutrição

O Instituto de Psiquiatria da USP (Universidade de São Paulo) convoca maiores de 18 anos que se consideram viciados em chocolate a participar de um estudo que pretende levantar as causas da compulsão. Serão dez encontros quinzenais no próprio instituto, localizado na região central de São Paulo, às segundas-feiras, das 10h às 11h30min. Durante os encontros, os pesquisadores vão incentivar diálogos sobre o tema e oferecer chocolates aos participantes.

Apesar de o termo "chocólatra" ser usado popularmente por quem apenas gosta de chocolate, comer demais a guloseima pode ser sinal de compulsão ou mesmo um distúrbio alimentar que requer tratamento clínico e psiquiátrico. O produto se torna uma válvula de escape para pessoas com ansiedade ou depressão, pois ele altera os níveis de serotonina do cérebro, responsáveis pelas sensações de prazer.

Segundo o psiquiatra Arthur Kaufman, líder da pesquisa do Programa de Atendimento ao Obeso do Ipq, a pessoa pode ser considerada viciada em chocolate quando come o doce todos os dias, em bastante quantidade e em um curto período de tempo. A vontade incontrolável de ingerir a guloseima é característica comum à compulsão alimentar. "Um chocólatra é aquela pessoa que come de 300g a 500g de chocolate por dia, mas tem gente que chega a comer 1 kg."

Doce vira "muleta" para aliviar o estresse

Outro fator comum ao chocólatra é usar o doce para aliviar momentos de tensão, explica Kaufman. "O chocolate libera um neurotransmissor chamado endorfina, o mesmo que é liberado quando se faz muitas horas de academia, que dá sensação de prazer. A endorfina ativa a liberação da serotonina responsável pelo humor e, quem come chocolate, tem melhora imediata no temperamento." A economista Carolina de Oliveira, 25 anos, é chocólatra assumida. Funcionária de uma grande empresa de telecomunicações, sua carga de trabalho diário costuma ser intensa. "Quando eu não estou estressada como uns quatro ou cinco chocolates, mas se eu estiver, é mais de dez, chego a perder a conta." A predileção de Carolina pelo doce chega a afetar outras refeições. Ela diz que gosta de trocar o almoço por uma barra de chocolate, tanto que em um antigo trabalho chegou a ter uma gaveta em sua mesa de trabalho repleta deles. Questionada sobre se considerava a sua atitude como a de uma viciada em chocolate, a economista não titubeou: "Sou muito chocólatra. Eu entrei de dieta e consegui ficar sem chocolate por no máximo sete dias e meio. Não ligo de não comer comida, mas não dá para ficar sem chocolate."

A troca de alimentos por chocolate é outro fator comum entre os chocólatras, de acordo com a endocrinologista Leila Maria Batista de Araújo, vice-presidente da Abeso - Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Segundo ela, o vício em chocolate já sinaliza que a pessoa tem uma alimentação desregrada: "Não deixa de ser um distúrbio alimentar. As pessoas se privam de uma alimentação adequada e, para não se frustrar, comem chocolate." Neste grupo, a médica inclui até as celebridades, que mesmo apresentando belos corpos, dizem abusar da guloseima. "O indivíduo que faz dietas exageradas se priva de coisas importantes, o que desregula a operação do metabolismo, alterando os níveis de serotonina. Isso faz com que ele coma muito doce, porque sabe que vai ficar mais calmo."

Tratamento é feito com moderador de apetite ou antidepressivos

Se for comprovada a compulsão pelo chocolate, o tratamento deve ser realizado como o de qualquer outro distúrbio alimentar, com medicação que limite a vontade de comer descontroladamente. Segundo a endocrinologista da Abeso, são indicados remédios à base de sibutramina (moderador de apetite) ou antidepressivos como a fluoxetina. "Se a pessoa é obesa, damos a sibutramina para ela perder peso. Se sofre de transtorno de ansiedade ou é depressiva, damos a fluoxetina, que vai tentar normalizar os níveis de serotonina."

Junto aos medicamentos, o ideal é receber também orientação psicológica ou psiquiátrica. Para a psicóloga Cecília Zylberstajn, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, a psicoterapia é importante porque age na parte emocional, ajudando a pessoa a reconhecer seus sentimentos que levam à compulsão. "A terapia vai ajudá-la a identificar os problemas existentes que podem influenciar na mudança do comportamento."

 

   
Carregando ferramenta de busca...

Dicas de busca | Mapa do site