Oficinas para restrição da gordura trans serão realizadas no CRN-8

quinta, 03 de outubro de 2019 às 12:00:00
Capa-site-2-1024x621.png

O Conselho Regional de Nutricionistas da 8ª Região (CRN-8), junto ao Conselho Federal de Nutricionistas e a Associação Brasileira de Nutrição (Asbran), realizará amanhã, 03/10, oficinas sobre a consulta pública da Anvisa para a Restrição da Gordura Trans Industrial nos Alimentos. As oficinas  buscam mobilizar o público em torno do tema e orientár para uma participação qualificada na consulta e consistem em uma das ações do projeto “Pela saúde do coração, gordura trans não”.

A campanha “Pela Saúde do Coração, Gordura Trans Não”, defende uma agenda propositiva de restrição do uso da gordura trans industrial em produtos alimentícios comercializados no Brasil, com base em evidências científicas e recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O projeto tem o objetivo de conscientizar o poder público, formadores de opinião, parceiros e a população sobre a importância deste tema. Atualmente, as evidências científicas comprovam que o consumo de gorduras trans industrial gera impactos negativos à saúde. Dados da OMS estimam que a cada ano, a ingestão desse tipo de gordura gera mais de 500 mil mortes no mundo.

Pela saúde do coração, gordura trans não

A Organização Mundial da Saúde (OMS) defende que a gordura trans nos alimentos seja eliminada até 2023, em todo o mundo. Segundo a organização, a cada ano, a ingestão deste tipo de gordura leva a mais de meio milhão de mortes no mundo.

A gordura trans é uma espécie de gordura artificial, produzida industrialmente para melhorar o sabor, a crocância e aumentar a durabilidade dos alimentos. Mas altos níveis de ingestão dessa gordura estão fortemente associados ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares e morte.

No Brasil, as doenças cardiovasculares constituem a principal causa de morte e de internação hospitalar. Prejuízo para a saúde e para os cofres públicos. De acordo com documento base da Anvisa, uma análise do impacto econômico das doenças cardiovasculares no Brasil, entre os anos de 2010 a 2015, mostrou que custos com estas doenças aumentaram 17% no período. Este aumento foi mais significativo nos custos dos medicamentos (88%), da previdência social (66%) e dos custos da morbidade (33%).

De acordo com projeto Pela Saúde do Coração, Gordura Trans Não, a população brasileira tem agora a oportunidade de mudar este quadro, por meio de participação na consulta pública e mobilização de suas redes em favor da causa.

Além de sua atuação junto ao poder público, o projeto pretende mobilizar profissionais da saúde, formadores de opinião, parceiros e a população em geral para uma ação conjunta que desperte a consciência para sobre a gravidade do tema. Com a iniciativa, espera-se uma participação efetiva da sociedade na consulta pública, que está sendo realizada na página da Anvisa, até o dia 7 de outubro. A consulta também pode ser acessada pela página do projeto